Apenas pinos

Nada contra o algoz gozar do guisado, mas pertencer ao portento é tentar pentâmetros, e até mesmo o miasma não amesquinha os canhões sempre que o quiabo banir bananas. Não digo que a gabolice lance o címbalo, isso seria assobiar bacias sábias, mas pelo menos o polo pilha a plêiade e empilha ilhotas, e se a tribuna abona nababos resta saber se o bérbere beberia abóboras. O biombo mesmo se abismou com os cumes, acumulando mulas, e eu digo até o que o gatilho tolhe a toalha. Não opino panos, apenas pinos. Malandra é a salamandra, que assimila milênios antes de cantar contornos. E o arcabouço do beiço é sibilar libélulas, mesmo que o mico cósmico mascare máculas. É como a filha da folha calibrar colibris, pode isso?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s