Pra Sempre 3

E o momento chegou em que Vanessa devia ou se render ou andar de ônibus. A sirene soou ao fim da aula de matemática, Rebeca levantou-se e virou-se para olhar a amiga de frente: você vai comigo? Vou, seco, respondeu Nessa, segurando-se ao despeito mas já quase se arrependendo de apostar no confronto. Estendeu a mão direita para a frente, e Beca a capturou com a sua esquerda abrindo um sorriso, retribuído com outro meio sem graça, e a morena não perdeu tempo em conduzir a loira para fora da sala. Nos corredores todo assunto espinhoso foi evitado, Rebeca contava sobre qualquer bobagem que viu na internet, e daí uma banalidade puxou outra. Tiveram ainda que caminhar até a outra quadra, onde estava combinado que o motorista as esperaria, cumprimentaram o Régis, um caboclo do sertão que trabalhava bem vestido, mas não uniformizado, compraram sorvetes na lojinha e entraram no banco de trás do utilitário esporte. Amiga, você é louca, disse Rebeca, de chofre. Vanessa riu, forçado. Uai, qual é o problema? Isso vai chegar nos ouvidos da madre, e você sabe. Que chegue. Você nunca se meteu em encrenca antes, Nessa. Vai começar de novo? Almoça lá em casa, arriscou Rebeca depois de algum silêncio. Ah, não posso. Poxa, Nessa, eu queria conversar com você, numa boa. A gente já não está conversando numa boa? Não seja sonsa. Tá bom, deixa eu ligar pra minha mãe. Sua mãe não almoça em casa hoje, também, esqueceu? Então vou mandar mensagem pra Nádia. Régis, não precisa deixar ela em casa, pode ir direto pro nosso prédio. A tensão foi se dissipando e a conversa ia cá e lá quando Vanessa instigou a curiosidade da amiga: se a madre quiser me suspender eu sei como me defender. Ah, é? E como? O Mauro? De física? Sim, claro. Me passou a maior cantada na sala dos professores. Não! Juro. Aquela hora que você levou os cadernos? Ahã. E o que você fez? Taquei-lhe um tapa. Depois um beijo. E depois outro tapa. Não! Não creio, Nessa. E o que foi que ele disse? Ele puxou conversa sobre o vôlei, e emendou dizendo que adorava ver uma mulher pulando. Pateta. Mas por que você deu um beijo nele? Isso não parece coisa da Vanessa que eu conhecia. Ai, sei lá, Beca, eu sempre fui toda certinha. E agora resolveu até… Shhh. Rebeca pediu ao empregado que jogasse o palito na lixeirinha, e Vanessa aproveitou para fazer o mesmo, e pouco adiante o utilitário esporte passava pela cancela, aberta pelo chip, do prédio de Rebeca, descendo para a garagem. Agradeceram a Régis e tomaram o elevador até o décimo terceiro. Vanessa foi amável com a empregada enquanto Rebeca olhava as mensagens no celular. Tá todo mundo falando do seu beijo no Arthur. Deixa falar. A mãe de Rebeca surgiu na cozinha e cumprimentou a visitante, dali a pouco veio o pai também, e comeram conversando qualquer coisa: saladinha, arroz, feijão, fritas, berinjela, e bife, frango e peixe à sua escolha. Vanessa tinha há muito tempo uma escova de dentes no banheiro da amiga, e logo após escovar as duas desceram para passear nos jardins e na piscina, onde teriam a adiada conversa séria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s