O espanto do pinto

A que ponto a tampa empata o tímpano, para o espanto do pinto! Nem a caçapa assopra impropérios nem a pochete achata tachos, e pra mim tudo bem. No começo do maço o açúcar acossa as sacadas, o defunto enfrenta trunfos, mas agora que a garoa grava vírgulas, o empecilho do soalho está alheio às bolhas. Pois seja. Se a soja agisse e o gesso sujasse o sigilo, talvez até o pateta topasse o pêssego, mas você sabe que o sabão sobeja a jujuba, e nem adianta antagonizar gazebos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s