Interpretar a patrulha

Já perdi a conta de quantos torpedos perderam a prática dos milhões de milhas a menos que amamentam os médicos. De modo que a aparelhagem da vagem vagueia à revelia do velocípede. E se o sabor do sábado badala lânguido, há que se considerar que a siderurgia urge, que as migalhas dos galhos regurgita a guitarra. Quem quiser salvar a salada precisa calafetar o festim e fermentar o fomento, ou ao menos acomodar os cômodos. Mesmo se a última kombi coubesse no bolso, os cães que carecem do cárcere cerceariam a surpresa presente. Cabe ao bêbado se desvencilhar dos cílios e simular milênios, e às demais interpretações da sálvia partilhar das calhas. Eu mesmo prefiro o furo ao fátuo, e a gentileza dos lázaros sempre que possível. Mas agora o goró aguarda o gado, e a calçada caça a soda súbita. Nem é uma questão de transcrever o infinito ou de interpretar a patrulha. Melhor asfaltar o tofu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s