Não se trata da truta

Não se trata da truta quando o catalisador oscila, não é preciso mais que um alforje de qualificações fictícias para apaziguar os zigurates. E isso os mascates mascam como se fosse fácil, mas paralelamente à prática o salgueiro já salva o silvo, ao menos desde que a ambrosia transcendeu o incêndio. É preciso orientar o despeito do pátio rumo às gavetas graves, sem com isso no entanto naturalizar os narizes, ou dinamitar os minutos, conforme seja. O apelo ao pélago costuma intumescer os macetes imiscíveis, de forma que a solidão dos astros já nem incomoda ao porteiro. Portanto, tenha sempre um javali no bolso, sementes de certeza no armarinho do banheiro, e indícios de setas em mente, pois depois que a eternidade cochilar, restará ainda a saliva das tampas de bueiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s