Acaba Mundo CCCXV

Hoje são seis de agosto de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. El País solta uma VazaRato em que Tanga Frouxa antagoniza o Gilmar, tramando com sua caterva seu impixa e buscando provas contra ele na Suíça no âmbito da investigação de Paulo Preto (que para chegar no PSDB nunca os interessou). Eles debocham da ilegalidade que cometem, e mais uma vez há vozes mais sensatas tentando frear o estouvado moleque de bochechas rosadas; o tal Robinho/Robito fica cada vez mais nojento aos meus olhos. Jornal paraguaio solta os bastidores do acordo secreto de Itaipu: retirava benefícios conquistados pelos vizinhos no passado (o que nosso governo chamou de malandragem) de modo que eles teriam um prejuízo financeiro multimilionário do qual o presimento se beneficiaria através da empresa Leros (não, sério), que comercializaria energia excedente paraguaia; o vice Velazquez devia levar seu troco ao certo, ele viabilizou o acordo realizado à socapa, e quase lhe cai a presidência pelo impixa do Abdo. Boa notícia (cold comfort, talvez) foi o veto do conselho superior do MPF a Ailton Benedito, um fascista, que Bozo quis pôr na comissão de mortos e desaparecidos: não cabe ao executivo nomear a vaga do MP, e o posto não está vago. Depois de oitenta e oito em junho, julho viu desmatamento duzentos e setenta e oito por cento maior, e esse deve ser o último dado confiável com mais um milico assumindo o INPE. Matéria esquisita da Foreign Policy imagina uma invasão do Brasil pelos godemes preocupadíssimos com a floresta (Bozo disse que ia explorar a região com a ajuda deles), acho que isso é balão de ensaio para uma nova doutrina de intervenção humanitária ambiental. Vão invadir para proteger e terminar de pilhar. A Índia revoga o status especial da Caxemirra, lá em outro crux da integração eurasiana, uma treta por fronteiras dúbias entre potências nucleares. Como tantas questões fronteiriças, deriva do colonialismo, da divisão do império britânico e envolve discrepâncias entre território nacional e identidades etno-religiosas. A decisão elimina a relativa autonomia da região e permite a aquisição de terra por hindus, num movimento colonialista. Câmara retoma desmonte da previdência e governo pede mais três bi no pendura. Enquanto isso o presimento se compara a Johny Bravo, e insiste que ganhou, porra! Eu cheguei mesmo a rir com a observação de que o embaixador em Washington precisaria ser filho de alguém, afinal. Agora manda perseguir Felipe Santa Cruz cancelando um contrato da Petrobras com o escritório dele. O Jair está gostando da brincadeira e as reações são ainda tímidas. Acaba mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s