Acaba Mundo CCLXXXVI

Hoje são dois de julho de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Nosso próximo censo, assim como na gringa (onde a questão causou atrito institucional, e a inclusão da questão de cidadania é contestada), será controverso, ceifado de perguntas sobre renda, aluguel e migração. Na Hungria fascista, a liberdade acadêmica sofre um duro golpe. José “Chevron” Serra ressurge com projeto de libera geral no pré-sal (o segundo, na verdade). Filho do Mourão, “nomeado” no BB, ascende ao cargo donde foi sacado um titular anterior por publicidade “diversa demais”. Há um conflito aparente entre Bozokid E e Helenão, e eu creio que seja só aparente: conflitos internos simulados escanteiam a oposição. Moro repetiu as mesmas tergiversações na câmara, até que Glauber Braga o comparou a um juiz ladão (que aceitou uma recompensa para minar a democracia) e tudo virou uma treta monumental. Vi poucos trechos, uma boa fala da Jandira, um impensável Boca Aberta entregando troféu ao depoente aos gritos, e a velha conversa de surdos. Enquanto isso, a PF do Moro manda o COAF investigar Glenn. Lembram-se da polêmica COAF dentro ou fora do super ministério Moro? Pois é, como eu já dizia, não muda nada: o governo todo é autoritário. A Terra de Vera Cruz, a que vulgarmente chamamos Brasil, marca mais uns pontinhos na escala do totalitarismo. Acaba mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s