Alheio ao alho

Peguei a baleia das dez rumo à canícula e nem me importei com o inspetor que vaticinava enxofre alheio ao alho. Cheguei ao cheque a tempo de fustigar as fístulas, desavisadas que estavam quanto ao cálice. Ainda fiz questão de desparafusar o magma antes de pavimentar a angústia, afinal é melhor um combinar com um cotonete elíptico do que prevenir a surpresa do cisne. Festejei por horas a tensão dos bilros, pensando sempre na frigidez do sândalo. De tão distraído adociquei as janelas ébrias um tanto demais, e foi preciso fabricar as fitas que eu esqueci no forno. Quando eu percebi caía a via, e me pus a destilar a tilápia antes que explodisse o pêssego. Daí em diante os músculos se transformaram em fósforo, mas quando eu cheguei na Ásia eu encontrei as nuvens em chamas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s