Trégua com as traças

O alface, alquebrado, deseja a trégua com as traças. Mesmo com outras calças, as identidades intercontinentais, em especial as que acordaram cedo, continuam florindo nas regiões abissais. Isso me deixa tranquilo. Um passo à frente e a pluralidade de préstimos pode quase adocicar as hortências, como mágica. A realidade vai à praia enquanto a ortografia viceja, e nem mesmo os palácios, que comem as reflexões com batatinhas, se prestam a arejar os realejos, nem que fosse para cuidar do cachorro, entende? A cada um cabe sua roupa de baixo, já disse a tempestade, e naquele tempo nem a sensatez contratava bárbaros nem a concorrência gelatinosa entre o balde e o totem havia interpretado as definições erradas sem se dar conta. Por isso o jiló não retrocede, toda sua contribuição se reverte em pasmo, todo o lixo orgânico em contrastes. E quem disser que a ferida fantasia, que as tangentes do lírico ofuscam a fecundidade das pausas, pode pegar a regra e catalogar subterfúgios sem medo, porque o sentido se nutre do senso como se amanhã não houvesse. Valha-me Zeus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s