Acaba Mundo CCXXXIII

praia-domingas-dias-em-ubatuba-spHoje são treze de fevereiro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Todo dia é tanta coisa que a sensação é que, mesmo com vários acréscimos ao longo do dia, sempre algo está ficando de fora. Ao mesmo tempo já me prometi não me perder no miúdo e acabar fazendo apenas um sumário das polêmicas. Eu me lembro quando tirava uma coluna para recomendar um livro ou homenagear um amigo que já se foi, e agora é essa urgência de reportar a implantação da distopia tropical e mais nada. Vivendo ainda mais como um misantropo, dificilmente algum outro assunto, algum assunto banal, preenche alguma parte do dia. Mas suspeito que não seja o único. Como eu sou um privilegiado seja ao dispor de meios ou poder dispor de meu tempo, ainda posso simplesmente decidir passar uns dias na praia, e é o que eu fiz. Cá me encontro em Ubatuba, alheio, o mais que possa, ao pandemônio social e institucional que impera. Só de escantear um pouco a internet já pude retomar a fascinante leitura de Syphilis in Shakespeare’s England, meio que descansar carregando pedra, como diz meu pai, porque é parte de um projeto futuro de um livro sobre sífilis na obra do homem de Stratford. Estava pensando nos meus projetos e apetites intelectuais na estrada. O que me parece mais promissor é a paródia de Hamlet, e depois da oficina com o JP Cuenca eu até tenho me levado mais a sério como escritor, e já estou pensando em submeter dois volumes de prosa curta. Também tenho um sonho de estudar o humor, que já abordei no mestrado; arrogância ou não, achei a literatura que apresentei bem superficial, queria ver os escritos mais recentes e quem sabe um dia mergulhar de cabeça no tema, contrapondo a estrutura lógica e a camada semântica, para lá na frente elaborar um esboço de taxonomia dos recursos cômicos e por fim um dicionário desses recursos em Shakespeare. Isso e as traduções que não pretendo parar de fazer, é claro. Mas antes é preciso virar dotô e mordiscar um posto na Cadimia, caso ela ainda existir, para que alguém afinal me pague para viajar em todas essas maioneses. Segura um bocadinho, mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s