Segura Firme 5

Uma hora depois, as duas saíam no mesmo táxi, comentando sobre a performance ou falta de performance de seus clientes, Jennifer reclamava de chupar por dez minutos um pau que não sobe, e Tânia contava com um sorriso no rosto cada detalhe. Fernando, metido numa samba-canção e numa camiseta, cheirava pó na mesa de centro da sala quando Carlos, ainda na mesma roupa, declarou que ia embora. Como embora, Jana? Táxi? Besteira, eu levo você. Espera só um pouco. Esse pouco durou uma eternidade, em que Fernando ia lá fora, gritava absurdos contra a esposa, voltava, dava mais um tiro, queixava-se de taquicardia, garantia que estava tudo bem e repetia o processo. Carlos só ligou a televisão, pediu licença para assaltar a geladeira e esperou o quanto foi preciso. Aí se estirou no sofá e começou a cochilar, pensando ora na trepada com a morena, ora no trabalho que tinha pra entregar, desejando sua cama de pensão, e dormindo ali mesmo.

Acordou com os gritos de Fernando: Jana, me leva, Jana. Caralho, índio velho, me leva. Pega o carro, porra. Sabe dirigir, então me leva no Santa Beatriz, eu não tô bem. É sério, porra! Carlos ajudou o amigo até o banco do passageiro do utilitário-esporte e tomou o volante. Fazendo força para se habituar com o câmbio automático, conseguiu manobrar pra sair da garagem e guiar avenida acima. Não, seu idiota, veio débil a voz do paciente, é descendo. Retorno feito, e direções adequadas fornecidas, chegam à portaria, e à medida que desaceleram, Carlos olha Fernando nos olhos: segura firme, vai dar tudo certo. A cancela foi aberta pelo porteiro de forma um tanto automática ao ver o carro, mas quando ele percebeu que era o índio que dirigia, e não seu Fernando, achou um tanto estranho. Carlos pisou firme enquanto estavam na rodovia, quase deserta àquela hora. Quase, porque um compacto todo modificado surgiu à frente, e invadiu a faixa na hora de ser ultrapassado, em atitude de provocação. Nosso índio buzinou instintivamente, e após conseguir passar o atrevido percebeu que havia entrado num duelo. Segura firme, seu Fernando! Eita lasqueira!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s