Acaba Mundo CLXXX

Hoje são vinte e um de dezembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. No meu país, vídeos mostram Suplicy resgatando uma mulher da polícia e o tal Fernando Holiday tumultuando discurso da combativa deputada psolista Sâmia Bonfim, a polícia contendo não a ele, mas ao Vespoli que reagiu. Agora as forças da lei não têm constrangimento de ter lado e isso ainda piora antes de melhorar. O tal Queiroz, laranja dos bozonazis está se evadindo do depoimento, meteu atestado. O pior é que ele arruína a piada que faziam em Brasília: Queiroz, aquele que vai pôr um pa nóis. Só de falar dá fissura, ainda bem que amanhã rima com Amsterdã. O Osmar Trevas acha pouco perseguir maconheiro, e quer perseguir a birita. É claro que qualquer medida restritiva vai servir para ir além do controle de costumes e intensificar a perseguição aos suspeitos de sempre por qualquer motivo, ou sem motivo. Nem gosto de ver notícias da terrinha, pois depois de superar o desespero e tapar o nariz para fazer meu doutorado numa prestigiosa universidade, às vezes me questiono se o melhor não é escapar desse pandemônio mesmo. Enfim. Hoje vi Richard II no Almeida Theatre, uma experiência bem diferente das peças no Sam Wanamaker. O palco era um cubo fechado, exceto pela “quarta parede”, e todos os sete atores, com figurino contemporâneo informal, estavam todo o tempo em cena, recolhendo-se quando não tinham falas. Um conjunto de baldes lançava água, terra ou sangue quando apropriado, alusão provável à imagem mestra da peça, dos dois baldes subindo e descendo para representar o rei deposto e o usurpador. Claro que nenhum rei é de fato legítimo, mas a questão da legitimidade é central (e a deposição representada vai redundar na guerra das rosas adiante). As implicações políticas atuais são exploradas no programa e pela crítica, e olha que não passaram por nenhum golpeachment. Foi mais difícil entender as falas, e uma atriz em específico era impossível; o quanto sou eu, o espaço ou os sotaques dos atores é difícil dizer (os negros articulavam mais claramente). A peça foi bem abreviada e apresentada em duas horas sem intervalo. Ontem eu vi uma foto do lixo no topo do Everest e espero que o ser humano suma. Que sejamos fósseis como os que vi no museu de história natural hoje. Acaba nóis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s