Desde o advento do vento

Pollock7

Não se acha mais um axioma pitoresco nos alpendres da suficiência. Desde o advento do vento a remela era coisa vulgar, fantasma que não assusta. Não dá pra saber se a coruja almoçou ou se tocou o alarme. Ela disse que é besteira, que a garganta dá pro gasto, um dia quem sabe a gente se banha em água pesada e esclarece tudo. Até a patativa é putativa, registrada em cartório e tudo, conforme a fórmica. A gente sai a buscar os contrários dos antônimos por entre os grãos da discórdia e o que encontra senão a obliquidade das quinas? Não se deve competir com hipopótamo, eu sei onde vende algo ótimo pra isso. Ninguém tira essas lhamas do episódio? Será preciso engraxar a flexão da parcimônia? Todos podiam combinar que dezenove não é vinte, propôs a primeira borboleta a ir à lua. Foi a última vez o piloto coçou o nariz.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s