Acaba Mundo LXXII

Renato-Almeida

Hoje são dez de setembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Após um policial intimidar candidata do Psol, negra, na barca do Rio, a guarda municipal de Curitiba atira com munição de borracha em candidato do PT, negro, e o leva preso. Serão Talíria e Renato vítimas do “guarda da esquina”, sobre o qual advertiu Pedro Aleixo ao romper com o regime quando do AI-5? Ou haverá uma instrução disseminada entre as forças policiais de intimidar a esquerda sempre que possível, de mãos dadas com o tradicional racismo das corporações? Na mesma Curitiba, durante o glorioso desfile de sete de setembro, uma dirigente do acampamento foi presa por gritar Lula Livre. E eu fico encafifado como eu falo quase sozinho quando digo que já é uma ditadura. Se os generais PODEM falar o que falam sem repreensão, com a complacência e mesmo o entusiasmo dos meios de comunicação e seu jornalismo abjeto, sem contar todas as anormalidades institucionais que já se tornaram corriqueiras e não cabe enumerá-las, já estamos sim em plena ditadura, embora a conformação seja diferente do tradicional mando direto militar (já temos claramente uma tutela) e não se conheçam ainda casos de desaparecimento ou tortura políticos (afinal, de sessenta e quatro a sessenta e oito já era ditadura). Não vou pedir pro mundo acabar, porque ele parece que já se decidiu nesse caminho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s