Fogos de Artifício 1

fogos

Estava sendo entediante para Igor, já no segundo dia, uma reunião de família em que as conversas eram quase sempre banais e os parentes quase todos reacionários. Ele lia à beira da piscina, e ainda teve de suportar gracinha de uma tia sobre seu peso, quando veio a notícia de que uma prima sua estava chegando para se juntar à parentada. Todos conhecem histórias de iniciações entre primos, mas dela ele só conseguira constrangimento, muitos anos antes quando eram moleques. Ele a cumprimentou, sem jeito por estar em traje de banho, e estendeu a mão ao namorado dela. “Igor, esse é o Ramon,” disse Tássia, já então uma morena linda. Ele era um tipo meio hippie, cabelos cacheados, e depois de alguma conversa se revelou um interlocutor interessante. Depois Tássia seguiu cumprimentando outros parentes e os dois prosseguiram, discutindo música, descobrindo que ambos tocavam um instrumento e gostavam de rock progressivo, e logo após estenderam-se sobre a vida universitária, surgindo inevitavelmente a pergunta, feita quase em uníssono: “você fuma?”. Obviamente, a resposta de ambos lados foi uma gargalhada que dizia “sim”. Igor tomou a iniciativa: “Eu trouxe um, vamos ali atrás daqui a pouco”. Ficou combinado, e Ramon foi reencontrar sua namorada. Igor não descansou, pôs-se ao trabalho. Era um prensado duro, resinoso, e dichavar o fumo demorava e deixava a mão melada, tanto que foi difícil apertar com a sedinha grudando nos dedos. Mas saiu-se bem. Vestiu uma roupa e pôs o baseado no maço de cigarros. Abriu uma cerveja e fingiu interessar-se por uma conversa ou outra, até que Ramon surgisse, estalando os dedos num gesto que diz “vamos adiante!”. Os dois não se esforçaram em ser discretos, e saíram pela frente da enorme casa até um pátio em que alguns carros estavam estacionados, e que ligava até a casa do caseiro; prosseguindo, chegava-se a uma colina coberta de pasto, no topo da qual havia uma árvore baixa e retorcida. Sob a árvore Igor tentava acender o beque sem sucesso, o isqueiro não funcionava. “Caramba, eu acabei de usar”; “É o vento”. Proteger com a camiseta ou chacoalhar o isqueiro, rodar ao contrário o acionador, nada resolveu, e era preciso voltar. Mas como no caminho havia várias postas de esterco, a segunda pergunta se ofereceu naturalmente, sobre tomar cogumelo. “Cara, é o tempo perfeito, verão, chove e faz sol, deve ter um monte aí pra cima”, provocou Ramon. Igor respondeu olhando em volta e detectando o primeiro. Estava meio ressecado, como se estivesse ali já há um tempo, sendo tostado ao sol dos últimos dias do ano. Mas era inconfundível, com seu chapéu amarelado, de topo marrom, a haste que fica azulada ao se quebrar. O anel em torno da haste já se rompera. Não era um cogumelo bonito, mas tinha um significado: significava que bastava procurar que outros lá estariam. Igor resolveu buscar o fogo e pediu que Ramon seguisse procurando. Ao lado da churrasqueira ele achou uma caixa de fósforos e voltou correndo com ela. Ramon já havia achado mais três. Isso já era o bastante para duas pessoas, sem dúvida, mas eles seguiram vasculhando o pasto enquanto fumavam e cada um achou mais dois. Era uma colheita espetacular, que voltou abrigada na camiseta de Igor até a sede do rancho. No caminho, faziam seus planos, de modo que enquanto o até pouco entediado gordinho metido a intelectual foi esconder seu tesouro do reino fungi, o músico aspirante, que tampouco esperava ser recebido daquela maneira, passou na casa do caseiro e pediu emprestada a sua esposa uma panela pequena de alumínio. Os dois trocavam sorrisos cúmplices enquanto conversavam mais um pouco com Tássia e aguardavam o almoço. Igor comeu pouco e logo após a refeição comunicou à família que iriam a uma cachoeira. Sua mãe recomendou juízo. Ramon se despediu de Tássia, que não se zangou, só pediu que não demorasse.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s