Am/Antes

magritte

Os Amantes – René Magritte

Quando eu digo a ela?

Quando eu digo a ele?

Eu preciso reconhecer que é necessário. Dizer de uma vez.

Eu preciso encontrar o melhor momento. Ele estava com uma cara!

Quanto tempo mais eu posso levar isso adiante? Não é justo com ela. Ou comigo.

Quanto tempo eu esperei ele voltar para contar! Agora não tenho coragem.

Mas ela vai sofrer, vai se desfazer em lágrimas. Ela já fez todos os planos pro casamento.

Mas ele, como vai reagir? Ele disse que queria ter filhos um dia. Mas, agora?

Eu realmente acreditava que queria passar minha vida com ela. Mas o tempo passa, as circunstâncias mudam. Ela mesma deve saber que não é mais como nos primeiros tempos. Céus, e é pra alguém? E eu podia esperar encontrar a Célia solteira em Curitiba? Por mera coincidência? Será que eu sou um monstro? Todas as expectativas dela vão desmoronar com uma palavra minha. Mas e o que eu sinto, não conta? Que situação horrível.

Acho que eu estou sendo uma boba. Como é que ele não vai gostar? Ele é um homem responsável, sempre demonstrou isso. Sabendo que uma criança dele vai ser gestada aqui dentro de mim ele naturalmente vai se decidir enfim, vai conhecer meus pais no interior, e nós vamos nos casar numa festa linda, como não? E no entanto ele não é mais o mesmo. Quase não me procura na cama, e não para de viajar a negócios. Parece haver muitos bons negócios a serem feitos em Curitiba. Ai, que aflição.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s