Acaba Mundo XLIV

US-INDONESIA-DEFENSE

Hoje são treze de agosto de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Num episódio anterior, comentei sobre as aeronaves estadunidenses pousando em Manaus. A nota, espartana, vinha de um veículo local, e não foi tratada pela mídia tradicional, o que pode significar tanto que era falsa e eu caí como todo internauta de gatilho fácil no mouse quanto que a informação é tão verídica que os veículos lacaios do consórcio golpista não poderiam mesmo noticiar. O que faz pensar sobre a divisão de responsabilidades pelo ambiente de pós-verdade, geralmente atribuído a grupelhos de internet, sejam sinceros ou de aluguel. Seja o que for, eis que agora aporta em solo brasuca o chefe militar dos godemes, James “Mad Dog” Mattis, para fiscalizar a entrega de um país por breves anos soberano, dono de suas escolhas, goste-se delas ou não, de volta à subserviência abjeta aos donos do continente. Pois é justamente por estar definhando em termos de superpotência global – recado do general: afastem-se da China! – que os EUA precisam apertar o torniquete na América Latina, nós sendo obviamente o cliente mais importante no bloco. Se a visita aponta uma ação contra a Venezuela, o tempo vai dizer. Nem atentado por controle remoto tem funcionado, então por que não pôr tropas no chão? Ocorre que esse chão é a Amazônia (e um enorme maciço cristalino), o que por si só já afasta em grande medida essa possibilidade. A menos que a missão seja mais de prospecção do terreno, de reconhecimento dos potenciais geológico e genético. De qualquer forma, mesmo que os piores medos não se concretizem, não há motivo para crer que boa coisa se avizinha, sabendo que vivemos uma plena ditadura – muito pouco acusada com todas as letras – e que os ianques querem deixar clara a tutela. Faz pensar se tem sentido debater eleição. Mas até aí, qual é a alternativa? Luta armada? Cada um leva o laptop pra praça pra enfrentar a polícia? Pelo verbo é difícil, providenciaram que o ruído fale mais alto, e mesmo muita gente que acusa o golpe, talvez mais preocupados com um partido do que com o país, não sai daí, do nível do ruído, da gincana macabra. E mesmo que alguém se faça ouvir, quem quer escutar? Podia acabar tudo de uma vez.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s