Exílio em Titã

Saturn

Para além da abóbada transparente, o céu era esverdeado, e a presença massiva de Saturno enchia a visão com sua palheta fechada. Um bom pedaço dos anéis podia mesmo ser visto. Tratava-se de um auditório construído em resina pré-moldada, dum rubro escuro, com capacidade para umas quinhentas almas, se muito, e estava quase repleto. No palco, entre dois grandes conjuntos de alto-falantes e sobre um púlpito, achava-se um senhor de poucos cabelos brancos desarrumados. A gravata amarela, ao contrário, perfeitamente concertada, sumia dentro do suéter marrom que protegia o corpo frágil.

“Caríssimos Contitânios meus. Me contenta muito que nossa comunidade prospere, que o projeto de colonização venha sendo um sucesso, apesar de tantas dificuldades. Como todos sabem, eu sou o último terráqueo em Titânia. E temo ser o último terráqueo em qualquer lugar. Como vocês sabem, hoje se celebram setenta e cinco anos desde a chegada da última espaçonave, a Elisium 3, na qual eu mesmo vim como um adolescente. Nosso planeta, bem, meu planeta ao menos, já não estava numa boa situação quando o deixamos, após as bombas, o colapso ambiental, as guerras por água e tudo que vocês aprenderam na escola. Muitos, comigo. Sete anos depois de nossa alunissagem, recebemos a última comunicação da Terra, então há boas razões para crer que tenha havido um colapso definitivo, muito embora a natureza desse colapso, se apenas tecnológico ou existencial, é difícil de determinar. Eu sei que vocês perguntam incrédulos como nós pudemos estragar o planeta com as condições mais perfeitas. Não sei dizer e mesmo os melhores especialistas de diversas áreas do conhecimento jamais  puderam responder. O que é pior: demoraram demais para formular a pergunta. Mas o que eu teria a dizer é que que a inteligência da nossa espécie foi uma armadilha perigosa, e nossa arrogância intrínseca foi o que levou a todas as catástrofes. É nisso que devemos pensar enquanto levamos nossa colônia adiante aqui em Titã, e vamos tornando-a cada vez mais habitável e mais próspera. Com os projetos anunciados de mineração, estaremos cada vez mais próximos do grande objetivo, que todos vocês conhecem, de enviar uma expedição à Terra, e reconquistá-la. Eu não estarei mais vivo certamente. Então me resta pedir que vivam por esse objetivo, e façam um trabalho melhor do que nós fizemos. Obrigado.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s