Praia do Martino

praia2

O acesso era difícil, meio escondido, contornando o porto pertencente à companhia de petróleo, e dava para uma pequena enseada de areia escura, que traçava um arco entre o porto, protegido por uma tela alta, e uma rocha enorme, a qual o mar esverdeado não cessava de golpear com suas ondas de espuma branca. No meio da praia havia um tronco, e terra adentro havia uma vegetação arbustiva e então um morro coberto de uma mata densa. A temperatura era amena e o sol já não era intenso, ainda que a luz fosse abundante e o céu de um azul plácido, quando Bogó e eu atingimos a Praia do Martino. Estávamos sós e o ácido estava batendo forte àquela altura. Eu revia um amigo de longa data depois de muito tempo e isso mereceu uma celebração lisérgica. Celebração em termos, porque há sempre uma ansiedade envolvida na viagem, mas naquele dia eu estava sabendo lidar bem com isso. Corri até a água sentindo cada grão de areia sob meus pés, que uma vez imersos sentiram a conexão imediata com todas as moléculas de água de todos os oceanos, e de repente eu estava em toda a parte. Expliquei ao Bogó minha epifania: “não há separação entre os átomos”, e ele ria enquanto se preparava para pular na água. Eu tinha até medo de me diluir no mar, então evitei mergulhar e me sentei no tronco. Conversava displicentemente com o parceiro de aventura, mas dedicava mais atenção a observar à minha volta. A areia estava cravada de incontáveis buraquinhos que eram moradia de pequeninos crustáceos, e me pus a me imaginar vivendo a vida dos mini-caranguejinhos, trocando de carcaça e começando tudo de novo quando a água invadisse minha toca. Olhei à minha direita, onde havia um rochedo alto e um tanto de pedras de diversos formatos amontoadas umas sobre as outras, e me punha a imaginar desde que um vulcão cuspiu lava e aquela rocha se formou, passando por bilhões de anos de erosão e movimentos tectônicos de modo a que tivessem aquela configuração específica, que de modo algum poderia ser outra. Era possível ver as marcas da maré na pedra, indicadas pela presença de algas e líquens, e na parte mais longe da areia era possível ver os sururus cravados na pedra, quando o mar recuava. Pelo menos eu não tive que me imaginar como um sururu desta vez. A onda bateu então mais forte, e eu me deitei na areia, olhando o céu translúcido. Pequenos formatos geométricos se destacaram da monotonia azul, algo como se o céu fosse uma tela de um jogo de encaixar, e eu estiquei o dedo para jogar, mas só atingi meu nariz e fiquei fazendo sons sem sentido, enquanto o Bogó, que saíra da água se ria gostosamente. Decidimos fumar, e para isso fomos até as pedras. De perto, eu pirava ainda mais naquelas mil formas empilhadas, nos veios da rocha, e tentava não escorregar, a caminho de uma pedra grande que se projetava no mar. Talvez nem fosse prudente fumar no ápice da onda, mas eu estava confiante. A conversa seguiu sobre a grande toleima humana e eu continuei reparando nos detalhes. Havia uma incipiente vegetação grudada à rocha, desde musgo até aquela planta espinhenta que parece bromélia mas não é. Olhando para longe do mar, apreciava a restinga, e a variedade de tons de verde saltava à minha vista turbinada, já o morro parecia uma grande ovelha de lã verde escuro. Eu tinha certeza que podia me comunicar telepaticamente com qualquer animal naquela mata. “I am the Walrus!” E o mar, que espetáculo, estava revolto e castigava o penedo em grandes explosões, e eu me deixei levar de novo na “trip” geológica até a formação dos oceanos, quando a terra era coberta de fogo e a litosfera… “litosfera, mano, a crosta terrestre! você sempre foi mau aluno.” O baseado potencializou mais a onda, como era esperado, e quando decidimos voltar, eu me sentia muito inseguro ao andar nas pedras, voltei à base e tentei recobrar o domínio de mim mesmo. Realmente não era prudente fumar aquela hora, e eu entrei numa “bad” de culpa, até que o Bogó voltou e tentou me acalmar, eventualmente conseguindo. Conversamos mais um pouco até que eu tirei a roupa e pedi que ele a levasse até a praia, o que mesmo protestando ele fez. Faltava alguma coisa naquele dia. Eu podia até me diluir, não ligo mais. Foi uma sensação maravilhosa afundar na água gelada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s