Trégua com as traças

abril 3, 2019

O alface, alquebrado, deseja a trégua com as traças. Mesmo com outras calças, as identidades intercontinentais, em especial as que acordaram cedo, continuam florindo nas regiões abissais. Isso me deixa tranquilo. Um passo à frente e a pluralidade de préstimos pode quase adocicar as hortências, como mágica. A realidade vai à praia enquanto a ortografia viceja, e nem mesmo os palácios, que comem as reflexões com batatinhas, se prestam a arejar os realejos, nem que fosse para cuidar do cachorro, entende? A cada um cabe sua roupa de baixo, já disse a tempestade, e naquele tempo nem a sensatez contratava bárbaros nem a concorrência gelatinosa entre o balde e o totem havia interpretado as definições erradas sem se dar conta. Por isso o jiló não retrocede, toda sua contribuição se reverte em pasmo, todo o lixo orgânico em contrastes. E quem disser que a ferida fantasia, que as tangentes do lírico ofuscam a fecundidade das pausas, pode pegar a regra e catalogar subterfúgios sem medo, porque o sentido se nutre do senso como se amanhã não houvesse. Valha-me Zeus.

Tudo às custas do Cosme

abril 2, 2019

Não importa quantos hidrantes pleiteiem o bálsamo, nem se os tendões das correspondências passam ao largo da contumélia, mas é bom que se diga que a fúria das castanhas se consome na picardia da faixa de pedestres, ou seja, aquilo que os invertebrados propuseram é levado ao forno com requintes de grosseria; e tudo às custas do Cosme. Não é nem questão de dividir o pudim com a arquitetura do desassossego, ou pintar de carne as incertezas do fusca, o mais importante é convocar as gramíneas, mesmo as que a purpurina confisca, e retraçar o susto enquanto o futuro não acorda. As janelas testemunham, de uma vez por todas, a insipidez do código, que tanta gente translúcida já fomentou. O rabo comendo o cachorro e a discrepância entre bolha e trave permanece como um dos ardis da primavera. Era vento. Desculpa se eu não arregimentei os alicates, era quarta-feira e o sinal estava implícito, ali onde a imperfeição coça os olhos, sabe? Difícil comparecer ao nulo para além da complacência devida.

O colapso dos feltros

abril 2, 2019

E vocês acham que a esquina abriria mão do colapso dos feltros pelo preço de um fóton interveniente? E passar ao largo do lago, largar a lagartixa, sem mais nem menos, através do quase? Melhor apostar na apostasia do hipopótamo, no sumiço do cosmo ou na constituição das fases, pois é certo que qualquer que seja o quociente das setas a situação apascenta o desconcerto da fibras. O céu já não dá conta de se misturar com surdos, tá de um jeito que as correias refugam a régua, e a galeria pensa duas vezes antes de calafetar a clareira. Eu já dizia. Eu trouxe até aquele estojo cheio de inquietudes, ajuda a dissolver a prática, ou pelo menos coloniza os fitos, e ninguém vai dizer que a vespa anseia pela véspera. Nem precisa força: é questão de costume evitar o cascalho e diluir as ventas. Nem ao contrário nem de ponta cabeça. É isso mesmo.

Acaba Mundo CCLXVII

março 23, 2019

Hoje são vinte e dois de março de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. E o Acaba Mundo deixou buraco pela primeira vez; estou sem internet em casa ainda e me aborrecendo, como era de esperar, com a prestadora do serviço. Prenderam o Temer. Preventivamente. Quando ele estava na cadeira e tinha sua utilidade, nada grudava, agora é jogado aos leões para movimentar o espetáculo da farsa jato. Quer saber, foda-se toda essa baboseira; está para além do meu alcance, e mesmo meus comentários por aqui não vão impactar nada. O país está regredindo em termos institucionais, não progredindo, com esse suposto combate à corrupção, e não há melhora no horizonte. Como também não há muita esperança de meu trabalho ser valorizado, muito embora tenham andado visitando meu Hamlet, o que já me deixa feliz. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCLXVI

março 18, 2019

Hoje são dezoito de março de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Bozonazi está na metrópole. Guedes apela ao fato de que o presimento “adora coca-cola e disneilândia”, garante que o patrão tem “colhões”, e chama todos para a farra do pré-sal; Bozo, Sarraceno e Bozokid E visitam a CIA, lá onde o Sarraceno foi treinado para sabotar o próprio país, lá onde, conforme os vazamentos do Assange, nós éramos o país mais espionado pouco antes do golpe, em especial a Petrobras, aliás. Eu disse que estava sendo bom não me informar, pois entro na internet e leio sobre um menino de doze anos baleado, algemado e morto pela polícia do Rio. Bozonazistas agora elegeram o STF como inimigo, chamam manifestações, e eu sinceramente não sei dizer se há um plano de estabelecer uma autocracia (Bozo não tem o perfil, é preposto da milicada), ou se querem apenas reavivar o fervor dos seguidores após seguidos desgastes, ou o que. Tudo que me preocupa agora é o que me atinge diretamente, minha bolsinha de doutorado da Capes, que já começa ameaçada de ser cortada a qualquer momento. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCLXV

março 18, 2019

Hoje são dezessete de março de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Estou fazendo minha mudança para Campinas e meio alheio à internet e às notícias, o que é de certa forma um alívio. Depois que eu li sobre o menino em Suzano que teve que caminhar até o hospital com uma machadinha nas costas porque ninguém quis ajudá-lo (um menino negro, é claro), acho que faz bem desligar mesmo; uma professora disse a mesma coisa. Por falar nisso, eu andava numa ansiedade danada porque perdi uma aula semana passada e não estava dando conta das leituras (outro motivo para fugir das chamadas redes sociais), mas agora acho que a coisa vai pegar no tranco; eu estou me reacostumando com a cadimia. Ainda me fazem ler filósofos pós-modernos e eu tenho pouca paciência com as afetações desse povo. E vamo nóis. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCLXIV

março 17, 2019

Hoje são dezesseis de março de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Dallagnol, que chegou a combinar com a Caixa os rendimentos de seu fundo bilionário, agora faz birra em sua conta de twitter e indiretas contra Dodge, enquanto ministro do supremo, dos quais o gangster Gilmar chamando DD de gangster, para delírio da plateia, resolveram só agora enxergar os abusos lavajateiros, depois do serviço entregue. Após o anúncio de investigação pelo STF da campanha difamatória, o CSMPF solta nota vestindo a carapuça e reclamando que membros do MP só são julgados pelo MP, e nisso levanta uma questão importante do escopo dessa investigação, ou seja, não é prerrogativa do supremo investigar cidadãos; por via das dúvidas eu vou parar de xingar os ministros na internet. Por falar em LJ, vem à tona operação ilegal conduzida por Érika Marena a mando de Moro, para realizar prisão por armadilha policial, algo que existe no sistema dos godemes e é proibido no país. Moro já cerceou depoimento na LJ invocando, o que seria papel do advogado do depoente, não dele, um possível acordo de confidencialidade na lei americana, em detrimento da nossa. E o pior de tudo é que fala inglês muito mal, ainda por cima. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCLXIII

março 15, 2019

Hoje são quinze de março de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Terrorista branco de extrema-direita filma e transmite massacre de cinquenta pessoas em duas mesquitas na Nova Zelândia. Aqui, um terceiro adolescente é preso, ligado aos matadores de Suzano; o grupo se identificava com Bolsonaro e com o movimento “incel”, de homens que se veem privados pelo mundo do que consideram ser seu direito sagrado às fêmeas da espécie. Em Manaus, um “brincalhão” ameaça imitar a chacina e vai em cana. Na ONU, embaixadora brasileira deixa a sala após tentar impedir Jean Willys de falar. Assassino de Marielle recebeu depósito de cem mil pela época da eleição, e era tão interessado nos Bozonazi que pesquisou a respeito de um professor que Bozokid F quis perseguir por ter uma folha de maconha tatuada. Delegado que admitiu que “isso tem” sobre namoros dos pimpolhos dos milicianos do condomínio Vivendas da Barra Pesada, um deles nosso presimento, é afastado e mandado à geladeira na Itália. Enquanto Buenos Aires e Paris homenageiam Marielle, Fernando Holiday quer impedir uma homenagem. Funcionários do ministério do obscurantismo vão aos EUA fazer o curso de flozofofia do Olavão, e o próprio supino mandatário vai lhe render uma visita. Qual será o poder desse mistificador, eu me pergunto. Agora além da guerra entre LJ e STF, congressistas inauguram CPI para intimidar o judiciário, e Toeffee lança ofensiva contra a rede difamatória fascista, que apontou os canhões para os magistrados, e é merda pra todo lado. E de uma em outra vamos seguindo, e lá vem aquele sentimento de opressão de novo; e isso eu sendo um branco privilegiado, imagina quem está na alça de mira. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCLXII

março 14, 2019

Hoje são quatorze de março de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Completa-se um ano do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes. No Congresso, um bando que incluía o deputado fotografado quebrando a placa, e que emoldurou um pedaço, interrompeu homenagem à vereadora morta com gravações de latidos. Alegavam advogar a punição para os maus tratos a animais. O presidente da República, mesmo provavelmente não sendo o mandante, está próximo dos assassinos e da milícia por mais de uma conexão. Eu não conhecia a Marielle, mas quando estive envolvido com o PSol no Rio acho que me lembro de vê-la, era uma presença digna de nota. Ou eu estou viajando, que importa? Bozokid F apresenta projeto para fábricas de armas, no dia da tragédia de Suzano. STF impõe derrota à LJ, autorizando justiça eleitoral a julgar casos correlatos. Também foi anunciada investigação sobre a tentativa abortada de criar superfundo a cargo da LJ. Gilmar Mendes, vejam só, desceu a lenha nos lavajateiros. Devia estar em coma nos últimos três anos. Provável que não dê em nada e sirva em guerras intestinas do judiciário, mas acho que vai ser divertido. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCLXI

março 13, 2019

Hoje são treze de março de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. O caldo tá grosso. O matador de Marielle, vizinho e co-sogro (existe isso?) do Bozonazi, é traficante de armas e cento e dezessete fuzis exclusivos da marinha dos godemes, sem os canos, foram achados em casa de outro amigo. Aparentemente, ele recebia as peças pelo correio. Polícia, após anunciar segunda fase para prender os mandantes, no mesmo dia já quer empurrar a tese de que matadores profissionais estavam trabalhando (três meses de planejamento) pro bono, porque odeiam a esquerda. Certamente odeiam, mas não a tal ponto. O advogado de um deles coordenou a campanha de Witzel, o mesmo que celebra a destruição da placa com o nome de Marielle numa foto infame. Três deputados estaduais, um deles um dos Picciani, foram pegos vendendo facilidades para a máfia do transporte urbano, e a atuação do PSol foi decisiva, assim é possível que o alvo fosse o partido. Amanhã o crime completa um ano. A polícia divulga que conhecia a identidade do assassino desde o ano passado, mas não queria “interferir nas eleições”; que deveria isso significar? Que sabiam já se extraía das falas do Jungmann. É bom lembrar que a munição usada foi desviada da PF, e que o suspeito agora preso sofrera um atentado pouco após o crime. Circula que adiantaram as prisões ao presimento, daí jogar merda em No meio tempo, Bozo garante que nem se lembra do cara e que o filho Renan pegava todo mundo no condomínio. Em Suzano, dois adolescentes invadem escola, fazem dez mortos e se matam. A gente só importa o que não presta dos godemes. E ainda querem despejar mais armas na sociedade.