Acaba Mundo CCCLXII

setembro 23, 2019

Hoje são vinte e dois de setembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Não quero comentar nada de política, nem há nada relevante para comentar. Pra falar a verdade, estou querendo fazer valer minha promessa de não viver mergulhado na internet acompanhando notícias que me fazem mal e ainda perdendo tempo lendo um tanto de bobagem que a tchurminha publica. Meu ritmo de leitura está péssimo, meu projeto de doutorado não saiu do lugar e eu tomei uma comida da orientadora que me deixou ainda mais tenso estes dias. Mas não há de ser nada, já estou reformando meus hábitos, escanteei um pouco a birita e comecei a correr, acordei do torpor e vou agora mesmo à biblioteca fazer a coisa andar. Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCCLXI

setembro 22, 2019

Hoje são vinte e um de setembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Grande comoção nacional das pessoas humanas, e escárnio de fascistas desumanizados, ante o assassinato no Alemão da menina Agatha Félix, de oito anos, por um fuzil da PM, que “suspeitou de uma moto” e atingiu a kombi onde ela ia; não houve confronto como quiseram espalhar. É a quinta criança morta nessa guerra perdida este ano. O avô fez questão de frisar que ela fazia inglês e balé e não morava na rua, reafirmar que a mocinha “contava”. Bozo aproveitou para elogiar o exército, Moro à PM carioca, cujo comandante sentenciou: não vamos retroceder. Que fosse o início de uma grande reação, mas não vai ser. Nossa sociedade aprova a violência racista da polícia, a televisão reforça a ideia de que o fodido é a ameaça, e isso vai se perpetuando desde o império, quando o haitianismo, o medo da revolta negra, ensejou a criação de uma polícia militar; o tráfico é só um capítulo. E vem um tanto de comentarista pedir maior “eficiência” na guerra às drogas em vez de questioná-la. Bem. O MEC quer um “criança esperança” para angariar doações para pesquisa, e a rede francesa Accor oferecendo moradia estudantil. Grávidas não terão direito a recusar procedimentos médicos, para que se “defenda o feto”; é uma ditadura fundamentalista e misógina. Revelada delação recusada de Leo Pinheiro: implicava o PSDB, em especial o operador Aloysio, embaixador do golpe; por que melindrá-los, né? Ou atrapalhar a deposição em curso à época? Consta que os bozokids F e C estão em guerra, um pedido moderação e o outro, com sua turma de aloprados alcunhados “gabinete do ódio”, pedindo ódio. Na verdade, todo o partido (de aluguel) está se esfacelando, saiu o Frota, saiu a Moro de Saias e o major Olímpio vai na esteira, dizem mesmo que o próprio Bozo quer pular fora; a reclamação é que Bozo foi escroto e não sabe liderar (que surpresa!). Para fazer publicidade internacional e tentar salvar sua imagem, um tiro n’água, o governo encontra quarenta milhões, em meio a, e por conta de, cortes de direitos. E além da índia a favor, a delegação brasileira levará assessores do Guaidó, para “representar” o país vizinho; já Macron levará comitiva da Guiana pra capitalizar mais um pouquinho. Vaticano responde a mentiras do Bozo sobre “más intenções” da Santa Sé na Amazônia; taí o maior país católico do mundo. No Egito, a população se ergue contra o “ditador favorito” do Trump, Sisi, implantado após a “primavera” que a mídia anglo segue chamando de revolução, quando não passou de agitação dos godemes, tal tivemos na Ucrânia, ou aqui. E a população de pássaros na América do Norte caiu vinte e nove por cento desde setenta: nós somos o meteoro. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCCLX

setembro 21, 2019

Hoje são vinte de setembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Intercept publica o Plano Barão de Rio Branco, que desmente qualquer boa intenção que o governo diga ter na Amazônia, prevendo infra (incluindo hidrelétrica de Trombetas para bauxita e ponte sobre o Amazonas) para bombar a exploração da floresta, e repetindo a falácia do “deserto” demográfico, ou a mentira da secessão indígena orquestradas por ONGs e “governos hostis”; até o ISA chama de paranoia o pretexto daqueles que sabem direitinho o que é ou deixa de ser. Petroleiros apontam que a segunda lei José Chevron Serra do petróleo, prometida há muito conforme os Snowden Files, e que termina de minar as prerrogativas da Petrobras e com isso o fundo que reverteria para educação e saúde, trará prejuízo de onze trilhões. É uma maldição do petróleo sobre o país, e é uma maldição do petróleo sobre o mundo, que vê hoje uma imensa greve mundial pelo clima (ao menos na Europa e nos EUA), liderada pela brava secundarista sueca Greta Thunberg, enquanto o imperialismo está cada vez mais desesperado para garantir o acesso a combustível fóssil. No Rio, o Robison, um morador “de praia” como diz ele mesmo, esculpiu Lula Livre na areia de Copacabana e agora é ameaçado por prefeitura, polícia e milícia; todo mundo que acha que Lula Livre não importa está com eles. Também no Rio policiais comentam sobre homem saindo da favela de moto portando uma estante de microfone: depois morre e a culpa é do policial; enquanto isso o governo planeja aumento gordo para canas e milicos (há pouco diziam que não tinham nem pro rancho mais, vai entender). Em SP, mais uma tortura privada contra furto famélico: rapaz negro recebeu choques da “segurança” do supermercado após furtar carne; e a sociedade vai tolerando, por mais que a “esquerda” (que é só quem acredita em direitos hoje, pelo visto) se escandalize na internet. Na Amazônia, é prorrogada a GLO contra as chamas desordeiras; eu mesmo não vi nenhuma reportagem sobre o que essas tropas têm de fato feito, quando as forças policiais estavam boicotando o Ibama e os promotores do dia do fogo são conhecidos e nunca molestados (MP anunciou inquérito, mas mais não se ouviu). Ao menos um episódio de milicos controlando acesso a aldeias já foi relatado, e eu imagino que o objetivo é mesmo cercear qualquer entrave ao plano mencionado. Este país não aprende e presta mais atenção à bobagem do que ao relevante; funcionários e assessores do PT no congresso venceram a megasena com um bolão, e lá vai acusação de fraude estapafúrdia vindo até do sinistro Weintrolha, e processo em cima dele, e debates acalorados; a divisão do prêmio dá um apartamento no setor sudoeste pra cada, mas tem gente dizendo que “a riqueza mudou de mãos”. Bozo será constrangido a assinar o diploma e pagar metade do prêmio Camões concedido a Chico Buarque, esse comunista temível, e eu farejo outro incidente diplomático. Por falar nisso, aproxima-se a fala dele na ONU, e ele tratou de arranjar, ou contratar, uma índia que seria do Xingu mas mora em Embu das Artes, pronta a dizer que queimadas são apenas tribos fazendo seu roçado. Será que o Macron vai levar o Raoni e continuar a briga para fugir da própria insignificância global e da rejeição interna, levantando a bola do “status internacional”? E o Trump está cada vez mais na berlinda: o alerta whistleblower era a respeito de sua pressão sobre o presidente ucraniano para achar sujeira do filho do Biden, que tem negócios com gás por lá, visando as eleições; o Mehdi Hassan mandou na lata: basta que os democratas NÃO lancem Biden. Não por isso seu governo está acuado, e manda (mais) tropas pra Arábia Saudita; iniciar uma guerra é truque velho pra garantir a reeleição. Trump também exige que seus prisioneiros de nacionalidade europeia do “estado islâmico” (uma tremenda história mal contada em si) sejam aceitos por seus países ou então ele vai despejá-los em suas fronteiras; justificativa: custariam dinheiro em Guantánamo. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCCLIX

setembro 20, 2019

Hoje são dezenove de setembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. No Brasil, a cada eleição há que se votar a lei eleitoral, desta vez eles querem passar um oba oba que combate mais a fiscalização que a corrupção; houve um pequeno recuo, mas o saldo só pode ser negativo. Por falar em fraude eleitoral, Bozo perdeu de sete a zero em reclamação contra a Folha, por fazer jornalismo e denunciar seu esquema, para o qual o mesmo tribunal fechou os olhos “para não atrapalhar”. E a Lava Rato, que nunca teve nem escopo nem prazo, nem escrúpulos, passará, segundo Aras, por um “rebranding”, mais um pouco ele anuncia um concurso para escolher o novo nome. E se o Sarraceno saiu da Lava Rato, a Lava Rato não saiu do Sarraceno, o microministro mandou a PF no congresso enquadrar o líder do governo no senado, Fernando Coelho, cujas acusações de corrupção são antigas e certamente não justificam a pirotecnia. O motivo? Críticas. Agora são dois bozokids na CPI da mamadeira de piroca, eu imagino eles interrogando a si mesmos como num filme do Woody Allen. São Paulo, já chamada capital do hemisfério sul, cai dezesseis posições dentre os centros financeiros. Dois conselheiros do CNMP perdem a recondução, mas é bom não se entusiasmar com a transformação do órgão corporativista. O governo godeme denuncia os drones houthis, que não mataram ninguém, enquanto os seus matam trinta e ferem mais quarenta camponeses no Afeganistão. Eles também não admitem que as universidades tenham programas sobre o oriente médio que não sejam de demonização islamofóbica, e ameaçam cortar a verba. Os campos de concentração estão de pé, e o mundo tolera. Acaba mundo.

Tapear os tapetes

setembro 19, 2019

É impossível dirimir a mira da merenda a cada cadência que os impropérios insistem em sintetizar. Não bastava a concorrência concêntrica dos sátiros, agora é o sonho do guarda que anda a estender os tendões e tapear os tapetes. Mas o simples plasma plúmbeo troveja a vagem venal, e costuma se dar que o estupor claudique, aí até mesmo o ventilador do ventríloquo esquece o quociente. Quem diria que o retorno do terno almoçaria com as vicissitudes? Ou que a parvoíce dos bálsamos suplantasse a sessão? Seria preferível irromper no mármore a pestanejar sob suspeita, mas que se há de fazer? Nem sempre o sabre sobra, e a esta altura melhor seria salivar sem motivo do que inventar um ovo. Pelo menos disseram.

Acaba Mundo CCCLVIII

setembro 19, 2019

Hoje são dezoito de novembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. A polícia do Mitzel já nem pudores tem de mirar escolas com armamento de guerra a partir de helicópteros, na Maré de Marielle, onde um cursinho comunitário aprovou todos alunos em universidades públicas, ao passo que similar iniciativa no Jacarezinho foi vandalizada pelos canas. Sarraceno, eu já disse, não está morto: é um asset valioso do deep state, segue popular, e é cortejado agora pelo Fodemos para vinte e dois. Imagina contando a história depois: conspirou e aderiu, foi exposto e depois eleito. A selic caiu a cinco e meio, mínimo histórico, mas ninguém investe por isso, se não há demanda; Guedes, galhofeiro, promete crescimento no terceiro ano. O fascista da Havan coagiu o voto dos funcionários foi condenado por isso: duas mil patacas; quem devia processá-lo são as vítimas, não o TSE (o mesmo que fez vista grossa às fraudes). Combustível sobe após explosões nas Arábias; quero ver se desce quando a cotação descer, e qual vai ser a reação dos caminhoneiros, que já renegam o Bozo. Após observações do Bozokid sobre a praticidade das ditaduras, seu pai o endossa e um veículo de imprensa debate a questão a sério. E a necropolítica quando não atira tira verba das vacinas. A Áustria vetou o Merkelsul, e que liga o Bozo? Ou eu? O acordo era desvantajoso; o problema é que vem outro pior com os godemes, formal ou secreto. E lá na gringa há rebuliço por um alerta da comunidade de inteligência que está sendo bloqueado para esconder o Alaranjado e suas relações internacionais dúbias; as apostas são de que é gravíssimo. Depois de Salvini, Bibi se fode em Israel, mas quem seguirá se fodendo mesmo são os palestinos. Foi o tempo em que eu me apaixonava pelo tema e protestava na embaixada: não faço nada pelos uigures, pelos burmeses, pelos curdos, pelos etíopes ou sírios ou líbios, ou pelos brasileiros, enfim. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCCLVII

setembro 18, 2019

Hoje são dezessete de novembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. `Procuradora lavajateira Thaméa Danelon foi contratada pelo advogado que se aproveita da LavaRato, o Carvalhosa, para redigir pedido de impixa do Gilmar, revela Intercept, o qual após matérias antipetistas agora dá destaque às acusações extorquidas do Leo Pinheiro, sobre palestras de Lula associadas a obras internacionais. Dona Bradley Dodge, desenganada da recondução, e de fato em seu último dia no cargo, atuou contra escola sem partido, liberação de armas, e pediu federalização do caso Marielle. Ela acusou Brazão de ser o mandante; ele é ligado ao escritório do crime, e daí ao presidente, e atuou para desvirtuar a investigação e nisso prejudicar o antigo patrão e ora desafeto Siciliano numa disputa eleitoral. O envolvimento da familícia, se há, há de ser preservado. Comissão Nacional dos Direitos Humanos visita Lula e denunciará os abusos ao mesmo Estado que os praticou, além de acionar uma ONU que nem quer nem pode fazer muito. Dilma é ovacionada na Sorbonne. Ministério do Weintrolha anuncia cartilha para a patrulha nos campi, enquanto decisão do supremo (adivinhem, legislando) destina parte da bufunfa da Petrobras, que tiraram da boca de Tanga Frouxa e Sarraceno, para salvar o estrago orçamentário. Estudo mostra que contas da deforma da previdência, sobre as quais se impusera sigilo, são fraudadas ou no mínimo ineptas. Garimpeiros ilegais tiveram balsas destruídas pelo Ibama e ganharam reunião com ministros para reclamar seus “direitos”. Faz um calor absurdo em Campinas e novo estudo mostrou que o buraco do aquecimento é bem mais embaixo. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCCLVI

setembro 17, 2019

Hoje são dezesseis de setembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Bozo sai do hospital sem assumir, e com dúvidas sobre a saúde que têm lembrado a muita gente a morte do Tancredo; seu governo vai tirar verba da cultura para fazer propaganda, e quer tirar a correção do mínimo da constituição (o famoso é proibido, mas se quiser pode). Olavo chama à formação de “militância” bozonazista, deve ser desespero com o derretimento (ou a vida) do capetão. Temer chama golpe de golpe no roda viva: não fui eu; e no fim não foi mesmo. Denúncia recente contra Lula e Frei Chico é rejeitada: amontoado de suposições; o lawfare nem se constrange, mas não pode comprar todo mundo. Trump ameaça o Irã, culpando-os pelos ataques às instalações petrolíferas; há versões que apontam mísseis em vez (ou além) de drones, e que teriam vindo de Irã ou Iraque, mas sabe como é informação em guerra. O Irã não tem motivo para caçar encrenca, e não o tem feito; o alaranjado segue tentando diálogo com seu homólogo persa, acho que o prospecto do fechamento de Hormuz vai detê-lo. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCCLV

setembro 16, 2019

Hoje são quinze de setembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. Brasil é considerado o lugar mais perigoso do mundo, num índice dúbio, é verdade, e foi incluído na lista, séria, dos dez piores países para o trabalhador. E tem essa conversa de CPI da Lava Toga, que seria uma investigação genérica do supremo, não mais que uma irracionalidade da turba, e os próprios filhos do Bozo estão contra. Em SP, feira de artes Old Roger é proibida pela prefeitura, após toda preparação, sem grandes motivos. Agora o fogo arde em um cartão postal da Amazônia, Alter do Chão em Santarém; ainda está sendo investigado, mas deve ser criminoso. O papel do aquecimento em tanto fogo no mundo todo, agora é a Indonésia, também deve ser considerado. Presidente da CPI da mamadeira de piroca (que no fim deve fazer um carnaval e mais nada) é mais um dos ameaçados de morte, seu sobrenome já causou confusão: Coronel. Procurador neonazi, que deve fazer parte do gabinete do PGR, defende diminuir liberdade dos professores, e o escola sem partido, que estava enfraquecido, promete voltar à carga. Eu tenho pesquisado sobre Cabo Verde. Enquanto os oceanos não engolem o arquipélago: à medida que derrete o gelo do Ártico, é liberado metano, o pior gás de efeito estufa, que está em concentração recorde. E o Trump chama o Sisi do Egito de “ditador favorito”. Acaba mundo.

Acaba Mundo CCCLIV

setembro 14, 2019

Hoje são quatorze de setembro de dois mil e dezenove e o mundo não acabou. A notícia mais espetacular foi um ataque drone dos houthis às instalações petroleiras da Arábia Saudita, a qual anunciou uma diminuição pela metade da produção (se isso não esconde alguma estratégia). Na prática Israel e Irã se enfrentam por procuradores e sofrem os iemenitas. Depois do suplente Giordano enrolado na treta de Itaipu, agora é o próprio major Olímpio implicado; uma misteriosa cegueira acomete mídia e instituições a respeito. O desmatamento em agosto foi duzentos e vinte dois por cento maior, tudo que é derrubado será queimado até o fim da seca. Janaína comete um ato falho e escreve que Dilma não caiu por questões fiscais (o resto da mensagem acusa Dilma de roubar a ponto de precisar das “pedaladas”), e o Sherlock Panuzio, que escalaram para se fingir de esquerdista pelo visto, decreta que acabou a farsa: quero ver reverter. Covas tira o vermelho de todas as ciclovias, porque prioridades, né? Raoni é indicado, pelo instituto Darcy Ribeiro, ao nobel da paz e tem mais chance que o Lula, afinal conhecemos a inclinação do prêmio, que ademais merece pouco respeito quando o Kissinger tem um. Mitzel rompe com Bozo após arrogar-se todos os méritos da vitória, será isso mesmo? Enquanto o fracassado upstart Gauidó é fotografado com narcoparamilitares colombianos, a Colômbia alega parceria de Maduro com as reformadas FARC para invocar tratado de “defesa mútua” (para atacar) da OEA, desde sempre ferramenta do imperialismo – a mesma que sabotou as negociações ao aceitar a representação do upstart em nome do país. Vi uma entrevista do Ciro e que decepção, ele prefere choramingar sobre o PT a condenar o Bozo, que para ele é apenas um incompetente. O PCO fez um ato em Curitiba e promete puxar a luta pelo Lula Livre; falta coordenar, né? Acaba mundo.