Acaba Mundo CXLVI

novembro 17, 2018

 

fogos

Hoje são dezessete de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. E que não acabe antes da minha viagem. Hoje eu traduzi a última estrofe de Lucrécia. É uma alegria, mas é como perder um brinquedo. Claro que a tradução não está pronta, mas é um ponto a ser celebrado. Ultimamente há tão pouco a ser celebrado, mesmo! Um fascista eleito que age com se empossado estivesse e manda um foda-se pra Cuba e encerra o programa como se estivesse no poder? Globo censurada no caso Marielle? Se vou continuar reportando os acontecimentos, vai ser preciso tomar um belo fôlego. O trabalho vai indo bem, então vamos nos ater a isso. Acaba mundo.

Repetindo a medula

novembro 16, 2018

medula

Eu aposto que ainda tem presilhas, foi o que todos disseram. Nada de mais, afluentes de possíveis pestilências, mas a liga das latas nunca destilou insígnias. Todos podiam seguir mastigando o sono e repetindo a medula mais um pouco. Ao que me consta a última vaga se suicidou antes do encômio. E não se pode misturar cordilheiras com conjeturas. Não àquela hora em que o relógio se masturba e a perseverança soluça, pelo menos. Mas se proclamou a coisa sem dizer e puseram uns biscoitos e café doce, e todos sorriram do veredito. Bem no momento em que os moluscos coletivizavam as perspectivas consonantes com o novo arbítrio, consolidou-se sobre a ponte o tatear do teto, não sem indícios de volição. E assim se diz que o pão transforma, e quem tosse agradece. Já ouvi tudo isso. As cornetas do óbvio, vestidas para dançar com os ribeirinhos, cancelavam o trote ocidental. Tudo que se soube foi o rei tem um furúnculo.

Acaba Mundo CXLV

novembro 16, 2018

plane-globe-secured-courier

Hoje são dezesseis de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Gente, o novo chanceler disse que a Europa é um vazio cultural e que a esquerda tenta impedir o nascimento do menino Jizuis. Sei lá até que ponto é louco ou perigoso, ou ambos. Lula tem passado por novos interrogatórios em outro processo esdrúxulo, o do sítio. Ao menos é bom ver Lula em imagens. Do bate boca com a juíza substituta nada sei nada comento. Mas acho que na situação dele devia chutar mesmo o balde. E Moro foi exonerado para perseguir sua trajetória de führerzinho de meia pataca, agora como superministro. Tudo isso tão alheio a minha influência que só me resta o escapismo, mental ou físico. Falta muito pouco para concluir a primeira etapa da tradução de Lucrécia, falta muito pouco para apresentar a peça do Middleton (e eu refiz a apresentação para privilegiar a sacanagem), e falta pouco enfim para usar essa prerrogativa de classe privilegiada para bom uso e sair fora dessa terra ensandecida um pouco. Aí depois o mundo pode acabar.

Acaba Mundo CXLIV

novembro 15, 2018

coroa

Hoje são quinze de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. O chanceler anunciado é pior do que se imaginava. Diz-se que Olavo de Carvalho foi quem o indicou, e faz todo sentido. Porque o sujeito vê o aquecimento global como uma conspiração marxista, usa uma retórica de cruzado e consolida a teocracia. Chega a reclamar da perseguição a carne, petróleo e sexo heterossexual. Uma metralhadora de asneira. E o cara não é um imbecil, se se tornou diplomata, deve contar pontos hoje fazer esse tipo. Sei lá. O país é cada vez mais motivo de chacota e preocupação lá fora, aqui quem aponta os absurdos é acusado de torcer contra. Eu só estou torcendo para que não vire um genocídio, ou melhor, que não se dobre a aposta do genocídio silencioso que é permanente. Às vezes ainda me resta esperança de receber uma bolsa de doutorado, mas não vou me surpreender se passarem a cobrar. Hoje é o feriado da proclamação da república, e a monarquia, que caiu de madura após a abolição, está tentando de todo jeito reinstituir a si mesma. A escravidão já teve a sua fiscalização desmantelada, e uma situação em que não há direitos a escravidão consentida vai se parecer cada vez mais com o trabalho dos africanos no passado. O racismo da nossa nação já nem precisa ser escamoteado, e assim vamos em frente. Rumo ao que seja. Acaba mundo.

O quarto traseiro dum conflito

novembro 15, 2018

 

clark

Esses dias eu tenho fagocitado muita dissonância, sabe? Até o porteiro pediu vistas do processo, como se fosse o quarto traseiro dum conflito. É cansativo especular com cactos durante a textura, o último que completou os gomos tamborilava na pastilha sem rumo. Eu não saio de casa sem pasmo, começo contratando lebres, lembrando do tostão hipotético. Pois não é de hoje que o coreto cora ao cortar contato com a tepidez inócua das armadilhas miscíveis em pranto. Tentaram me convencer outro dia que os menestréis comiam incenso, que bajulando o telescópio se pode dormir em paz. Mas minha missão é misturar o sofá com o silogismo buscando a raiz da imersão. Como eu ia dizer, tudo hoje é tudo, e mesmo que eu tenha que voltar pra buscar as sandálias, ou o pote que estava bem ali agora há pouco, o prêmio é do sorriso. A realidade é que é teimosa.

Acaba Mundo CXLIII

novembro 14, 2018

itamaraty

Hoje são quatorze de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Hoje eu fui a Campinas para a entrevista do doutorado. Tão preocupado com alguma coisa dar errado, mal consegui dormir, e quando dormi não despertei com o alarme e foi aquele deus nos acuda. Mas deu tudo certo. Fiquei encantado com uma candidata ao mestrado, romena, mas já pude apurar que, bingo, é casada. Depois encontrei o Brodi, amigo figuraça do tempo de Unicamp, sindicalista da Caixa com a cabeça a prêmio, e voltei. Descubro uma tristeza e uma vergonha, mas nenhuma surpresa: mais médicos foi cancelado, e um pateta do terceiro escalão do Itamaraty alçado a chanceler após criar um blog bolsonarista. Política externa sem viés ideológico. Vou lançar o Fica Nunes. Acaba essa porra. Se não puder acabar o mundo que acabe pelo menos o casamento da moça romena. Mas no entanto, ela é crente, que é que estou falando? Acaba mundo, mesmo.

Acaba Mundo CXLII

novembro 13, 2018

toffee

Hoje são treze de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Agora são os ministros do com supremo com tudo a fazer biquinho pela entrevista do general. Já faz um tempo que os togados agem como atrizes pornô, que precisam fingir, mas nem precisa ser muito convincente. Na época mesmo em que foram ameaçados pelo general via jornal nacional, mantiveram Lula preso e nem pio deram. Eu faço minha parte. Um dia entrei no avião, pleno golpe, tava lá a bala Toffee, sujeito que não me inspira confiança desde a nomeação. Eu passei cantando “o supremo que é a vergonha”, e ele ficou olhando pra trás depois, com cara de moleque que aprontou. E segue aprontando, agora presidente. E com babá de quatro estrelas, que já está indo pro ministério da defesa, que quem sabe seja renomeado ministério da perseguição, ou melhor ainda, do amor, como em Orwell. É essa a gente que vai fazer do país um proxy dos godemes e declarar uma guerra absurda à Venezuela, matar gente, encher o peito de condecorações, com o Toffee e demais lambendo-lhe as botas e brincando de fingir indignação de vez em quando. Depois do Chile, foi a vez do céu da Irlanda receber OVNIs. Invade nóis! Acaba Mundo!

Acaba Mundo CXLI

novembro 12, 2018

mala

Hoje são doze de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Eduardo Bozonazi, como se príncipe coroado fosse, fala em perseguir comunistas e prender cem mil no maior nonchalance. O paralelo que têm apontado, aliás por ele mesmo, é a Indonésia, onde morreram quinhentos mil. Na prestação de contas do nazista acharam-se dezessete irregularidades, ficou bonito isso, o número do candidato. O espetáculo grotesco dos ministeriáveis avança, após o ex-presidenciável Dr, Rey se oferecendo para a pasta da saúde, com as conversas em torno do nome de Maitê Poroença para o ambiente, que em vez de extinto será tão cosmético quanto as melecas que a dondoca passa na cara. Hoje eu fui cortar cabelo e vi que o pessoal continua gastando energia pra falar as mesmas bobagens sobre a Dilma. Odiar o petê é o esporte favorito do país, nem que seja pra chutar cachorro morto. Eu que não vou me incomodar por tão pouco, mas devo dizer que tenho sorte em viver isolado aqui no meu bunker, e tenho sorte de fazer em breve uma viagem internacional para desentoxicar de Brasil. Acaba mundo.

Acaba Mundo CXL

novembro 11, 2018

40-02-02/53

Hoje são onze de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Há um século celebrava-se o armistício que punha fim à Primeira Guerra. A Polônia, que celebra sua independência na mesma data, viu hoje uma marcha de fascistas com a presença de colegas italianos. General Heleno alvoroça a dita esquerda com entrevista que dá de bandeja que Lula é preso político. Ora, vai mudar opinião nenhuma. Consegue imaginar um antipetista reconhecendo a injustiça da prisão? O pior é sua insinuação que o poder real está na mão dos milicos mesmo. Também não vai mudar nada. Boa parte até da dita esquerda nem os leva em consideração e se perde na gincana de personalidades e factoides. Um bom amigo me chama de conspiracionista por apontar papel dos EUA no golpe, isso é algo que quase nunca é mencionado na espuma opinativa eleitoral ou pós-eleitoral. Eu enquanto isso estou obcecado por Lucrécia, faltam poucas estrofes por traduzir, e chegar à parte em que ela se mata, descrita em detalhes gráficos, deixa impactado.

Acaba Mundo CXXXIX

novembro 10, 2018

dystopia

Hoje são dez de novembro de dois mil e dezoito e o mundo não acabou. Ao passo que o nazista-eleito e sua equipe revelam inépcia completa, perece que se tornou confortável rir de tudo. Não sei se é bem o caso, primeiro porque depois que o país se fuder que vai adiantar apontar dedos, segundo porque os alvos preferenciais já estão sofrendo, terceiro porque quem sabe até onde vai o buraco do coelho? Criar as piores expectativas ajuda a se sentir aliviado, mas há que se lembrar que estamos apenas no começo e escolheram o Brasil de laboratório pra que porra sinistra o futuro reserve. Vamo nóis. Acaba mundo.